Tiago Matos fala sobre a relação engenharia e ciências sociais

Tiago Matos

Tiago Matos tem 18 anos e cursou o ensino médio como aluno bolsista em escola particular no município de Candeias, onde mora. Atualmente Tiago é estudante do terceiro semestre do curso de Bacharelado Interdisciplinar (BI) em Humanidades com concentração em Relações Internacionais, na Universidade Federal da Bahia (UFBA).

Como colunista da Innovo Tiago Matos irá dissertar sobre as questões sociais que envolvem a engenharia. Nesta entrevista ele explica um pouco sobre seu percurso profissional e irá dedilhar os primeiros acordes de sua coluna mensal. 
INNOVO – Como você percebeu qual curso superior iria fazer?  
TIAGO – Na época em que me inscrevi para o B.I Humanidades ainda não estava certo a respeito de qual área do conhecimento cursar. Pensava em variados campos dentro das ciências humanas aplicadas, especialmente as Relações Internacionais, Ciências Sociais, Direito, Economia e Geografia, tendo inclusive sido aprovado em instituições federais e estaduais nos dois últimos cursos, mesmo assim, optei pela multiplicidade de debates das Humanidades. Terminada a graduação, pretendo tentar o mestrado em Relações Internacionais na própria UFBA, caso contrário, ingressar em alguma graduação específica, sendo a mais provável o Direito.

INNOVO – Qual a relação entre engenharia e humanidades?
TIAGO – Compreendo a relação entre as humanidades e as engenharias do ponto de vista de uma importante e mútua troca entre os valores particulares e essenciais a cada uma destas áreas do conhecimento, de um lado, o estudo sobre o ser humano inserido na realidade (histórica, social, econômica, filosófica, política, subjetiva) e a realidade (física, química, biológica, espacial, etc.) que se impõe nesse conjunto de relações ideias e materiais. Dentro desse complexo de complementariedade, as engenharias cumprem um papel fundamental para o desenvolvimento da vida: a produção da materialidade necessária ao aprimoramento dos processos que devem impulsionar a promoção da qualidade de vida do ser humano.
INNOVO – Qual a importância que a engenharia desempenha na vida da população? 
TIAGO – Dada sua capacidade de transformação da realidade, as engenharias têm uma função estratégica, o que torna seu conhecimento técnico/científico valioso para diversos atores com diversos interesses. Por isso acredito que a mudança no caráter funcional das engenharias perpassa por uma reflexão sobre sua finalidade enquanto ciência capaz de prover os elementos necessários ao desenvolvimento ou à barbárie. 
INNOVO – Você acredita na humanização da engenharia? Como é possível isto?
TIAGO – Acredito que a retomada da engenharia com vetor social é possível à medida que estudantes, pesquisadores, professores, universidade e sociedade civil, se articulam em torno de um projeto ético e humanístico de direcionamento da capacidade científica para a resolução dos problemas que afetam a vida humana. E um projeto como esse, na atualidade, só será possível quando esses agentes se entenderem como produtores e produtos daquilo que constroem.
INNOVO – Qual sua opinião sobre a importância que a Innovo dá para o desenvolvimento de uma engenharia com responsabilidade social?
TIAGO – Na minha opinião, a Innovo cumpre um papel difícil e importante dentro do meio acadêmico, que é o de levar o debate ético, social e político para a comunidade estudantil – cuja grande maioria se mostra desinteressada pelas repercussões do conhecimento científico no mundo e as outras finalidades possíveis ao seu uso com responsabilidade e compromisso com a cidadania, o meio ambiente e as pessoas. Um ativismo desse tipo certamente requererá engajamento e disposição para contrapor os discursos “cientificistas” e acríticos dentro e fora da universidade, o que só deve servir para reafirmar a vontade dos membros em levar uma nova engenharia para a sociedade e aproximar a sociedade como objeto da engenharia.
INNOVO – O que você pretende abordar na sua coluna mensal? 
TIAGO  – Na minha coluna pretendo trazer questões de caráter ético, social, moral, político, epistemológico e filosófico, fundadas em textos e autores que se dedicam a analise crítica do atual modelo de desenvolvimento científico, abarcando as engenharias, mostrando sua importância e suas implicações para a vida em sociedade.

Comments

comments

Posted by Joseane Rosa

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *